Nikon D600: meu review pessoal.

Oi galera. Pra quem não acompanhou, comprei recentemente uma câmera nova, a Nikon D600. O objetivo era, com uma câmera full frame, melhorar ainda mais a qualidade das imagens.

Fiquei devendo para alguns a minha opinião sobre a câmera e achei que postar no blog seria mais fácil para passar as informações.

ATENÇÃO: Este não é um review técnico, sobre as especificações da câmera, é a minha opinião. Vocês podem ler reviews em vários sites, como o do Ken Rockwell, Dpreview, CameraLabs, Gizmodo, entre outros. Sobre controles, leiam o manual de instruções.

Vamos por tópicos:

1 – Por que a D600 e não a D800?

Entre outros motivos, como preço (importantíssimo) a similaridade da D600 com a D7000 – outra câmera que possuo desde 2011 – foi o que mais me agradou. O corpo é muito semelhante em termos de tamanho, peso (780g na D700, 850g na D600 e 900g na D800) e distribuição dos botões de comando. Por último, a D600 tem dois slots para cartão SD/SDHC como a D7000, enquanto que a D800 tem um para compact flash e um para SD/SDHC. Eu já tinha uns SD/SDHC muito bons (uso SanDisk Extreme Pro) e queria continuar usando um em cada slot.

2 – Diferenças na qualidade da imagem em ISO elevado.

Mesmo sem zoom 1:1 eu já consegui notar uma diferença bacana na qualidade da imagem da D7000 para a D600. Por via das dúvidas, fiz uns testes para mostrar para vocês:

A lente usada foi a 24-70mm 2.8 da Nikon. Não sei se ficou muuuito bom, mas foi o que consegui hehehe. Acabei tendo de mudar a distância focal, por conta do fator de corte, então o enquadramento não está idêntico, embora estivesse no tripé.

m1 m2 m3

3 – Pontos de foco.

A Nikon D800 tem 51 pontos de foco, enquanto que a D600 tem “somente” 39. Como eu já usava os mesmos 39 pontos sem maiores problemas na D7000, não vi como um fator decisivo.

4 – 24 monstruosos megapixels.

Essa é a parte que está me deixando incomodada, rsrs. Como eu só fotografo em RAW, não há a opção de RAW menor. Há como fotografar em JPEG em vários tamanhos de arquivo, mas em RAW só há o “cheio”, com 24 megapixels. Isso aumentou consideravelmente o “peso” dos arquivos, de modo que cabem menos fotos nos meus cartões e meus HDs vão durar menos. A minha D7000 também é assim, mas como ela tem 16 megapixels, eu deixava para lá. O arquivo da D600 tem dimensões 6016 x 4016. É assustador.

5 – Vinhetas.

Também um ponto “negativo” (entre aspas). Como agora vejo a abrangência total das minhas lentes – trabalho somente com a 24-70 e a 50mm 1.4G – noto uma bela de uma vinheta escura nos cantos de minhas fotos. Tem solução? É claro, uso a correção do Lightroom. Mas é chatinho fazer (mesmo sincronizando).

Antes e depois da correção da vinheta. Não fiz nenhum outro ajuste, então não reparem, rsrs. Está como saiu da câmera.

6 – White Balance automático.

Como eu só fotografo em RAW, estou 100% do tempo com o white balance no modo automático. O que me deixou surpresa é que a D600 erra MUITO! Na D7000 eu quase não notava erros grotescos de white balance como tenho percebido na D600. Ou puxa demais para o verde (como na foto acima, no exemplo da vinheta), ou para o roxo (como na foto abaixo)… Não sei como corrigir isso nela, então faço no Lightroom.

À esquerda a foto como saiu da câmera, completamente roxa. À direita com white balance custom, que eu fiz no Lightroom.
À esquerda a foto como saiu da câmera, completamente roxa. À direita com white balance custom, que eu fiz no Lightroom.

 

7 – Mesma bateria!

Uma coisa que me deixou muito contente, é que o modelo de bateria da D600 é o mesmo da D7000, o EN-EL15. Agora eu posso usar a bateria da D7000 como reserva.

 

8 – Não é o mesmo Grip! ¬¬

Outra sacanagem da Nikon. É tão parecida com a D7000, mas não utiliza o mesmo battery grip.

 

9 – Conclusão.

Bom, de modo geral é uma excelente câmera, tenho certeza que sim. Só preciso me acostumar com as diferenças. A qualidade de imagem é realmente muito, muito boa.

Estou usando a D600 principamente em eventos, onde muitas vezes necessito do ISO alto. Em situações como fotos no estúdio, como as condições são as melhores (ISO100, F/8…) eu estou usando a D7000 mesmo.

 

Espero que tenha sido útil. Um abração em todos.

15 thoughts on “Nikon D600: meu review pessoal.

  1. Jair Morais says:

    Bacana o Review, achei alguém com o mesmo problema que eu, white balance, estou tomando uma surra dele no auto, putz Hauíne esse auto da D600 é realmente grotesco né? me deixa muito incomodado também, mas vamos em frente, a máquina é show. Parabéns.

  2. Adriana says:

    Huaine, como vai tudo bem?

    Gostaria de saber se em fotografar em RAW, a máquina está nos entregando um arquivo “cru” (negativo digital) correto?, então ele faz o balanço do branco automaticamente ou simplesmente registra a cena como ela realmente é, desconsiderando ajustes de contraste, nitidez e balanço do branco. Eu achava que somente arquivos fotografados em JPEG é que tinham como ajustarmos esses parâmetros, ai que nó na minha cabeça!!!!!!!!!!!! rs… rs… me ajuda por favor?
    Beijos

  3. Denis says:

    Gostei do teu Post. Tenho uma D90, já estava satisfeito, mas a necessidade do ISO alto (eventos) me fez migrar para a D7000 (um espetáculo!). Vi teus comentários sobre a D600 e confesso que não abriu meu apetite. Creio que, até o dia em que eu precisar de uma Full frame (acho que nunca), não irei mais avançar. A grande verdade é que não precisamos de máquinas melhores (na maioria das vezes). Creio que o melhor é investir nosso tempo em aprender a tirar fotos melhores com nosso próprio equipamento.
    Agora com relação a lentes…isso sim faz toda a diferença. Resisti um pouco ao desejo de comprar a 50mm… hoje não vivo sem! E olha que a minha é apenas F1.8…
    Forte abraço e continue nos presenteando com seus post.

  4. Emerson says:

    Oi Hua, ótimo seu review não técnico! tenho certeza de que essas impressões valem mais pra maioria dos interessados na câmera do que ler as revisões técnicas cheia de dados que não usamos na “vida real” rs
    Sobre o tamanho dos arquivos em raw esse é um detalhe que a nikon bem que podia copiar a canon né? seria ótimo ter 3 resoluções diferentes do raw, mas como não tem eu uso um subterfúgio na minha d700, o raw pode ser de 12bits ou 14bits ambos com ou sem compressão, a diferença no tamanho do arquivo ao usar 14bits sem compressão comparado com 12bits comprimido é bastante grande, segundo tudo que li não há uma diferença significativa na prática pra nossa necessidade, desde então passei a usar 12bits comprimido e não tenho sentido nenhuma dificuldade, mas meus cartões de memória e HDs agradeceram!
    Usava a d7000 com cartões sd e ao pegar a d700 tive que comprar cartões CF, mais caros, tenho 2 de 16gb hoje, com raw 12bits comprimido já cheguei a 1500 fotos num evento sem ter que trocar de cartão, usando 14bits sem compressão não cabem 800 fotos… e minha camera “só” tem 12mp rs, fiac a dica, faça os testes aí e se for viável pra vc 12bits comprimido é a saída paliativa.

  5. Kátia Serafim says:

    Oi Huaine!!
    Obrigada por dividir esse review conosco!! Eu ainda estou no sonho da compra da minha D7000 hehehe, mas já deixo aqui o sonho para a full frame tbm!
    Bom, se puder me ajudar, fiquei curiosa como vc faz para tirar a vinheta, eu tbm sofro com esse probleminha e não tive uma luz no fim do tunel para isso e quando vi você citar sobre isso aqui no post meus olhos até brilharam rsrsrsrs…
    Obrigada desde já!
    Um abraço!

  6. Rosa Dultra says:

    Acabei de adquirir a D600, depois de anos na D90..foi um super avanço. Ainda estou me adaptando aos novos comandos, mas maravilhada com a qualidade das imagens…ainda com a cinquentinha, mas na expectativa da 24-70. Valeu pelo post. Bjs

  7. Ilidio Santos says:

    Olá,boa review,simples e incisiva,acabei de chegar ao FX com uma D600,mas estou um pouco desiludido com ela,com a minha D7000 consigo ter uma foto mais bem focada que com a D600 usando o flash externo(SB910),me parece que a D600 é um pouco cega,já teve este problema???
    Obrigado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *