Dicas para fotografar Aniversários Infantis. Parte 02.

Olá pessoal, como estão nesta segundona? Prontos para mais um post com dicas para fotografar aniversários?
Para quem perdeu, não deixe de ler a PARTE 01 desse artigo.

Bom, conforme havíamos combinado, a parte 01 do artigo tratava de Logística, voltado para a organização do fotógrafo no dia da festa e em como lidar com o cliente. Agora, a parte 02 do artigo será voltada para técnica, ou seja, sobre como e o que fotografar na festinha em si.

Vamos lá!

2.1 Equipamentos.

Muita gente me pergunta quais os equipamentos que eu uso quando fotografo uma festinha infantil. Bom, com o tempo, encontrei a formulazinha que funciona para mim, em termos de equipamentos. Ou seja, não considero que quanto mais diversidades de lente você tiver, melhor. Penso que o importante é encontrar o que funciona para você, para que você tenha conforto em trabalhar.

Meus equipamentos são o seguinte: Nikon D7000, que fica de backup, mas nunca precisei acioná-la (felizmente); Nikon D600, que é a minha câmera principal, sobretudo por ser full frame. E objetivas, também possuo apenas duas, a 50mm 1.4 e a 24-70mm 2.8, ambas da Nikon. Também possuo um flash SB700 que conhece mais o interior da minha mochila, do que o mundo lá fora, rsrs.

O motivo de eu ter escolhido este equipamento para me acompanhar  durante os eventos, é que com uma câmera full frame, eu tenho bastante flexibilidade no ISO elevado, podendo “esticar” até ISO3200 sem maiores preocupações. Dessa forma, aliado à lentes claras, eu consigo evitar o uso do flash, por isso ele fica tanto na mochila.

Quanto às lentes, penso que o mais importante seria uma lente clara, que também seja bem versátil. É por isso que optei pela 24-70mm 2.8, que me permite aproximar um pouco da criança, sem precisar entrar tanto em cena, mas também consigo abrir o ângulo, para fotografar o parabéns, tudo com a mesma lente.
Não sou o tipo “fotógrafo tele-objetiva”, que fica de longe, com sua bazuca, só analisando e fazendo cliques mais jornalísticos. Cada um tem um estilo, por isso acho importante encontrar o seu, antes de investir em equipamentos caros. Meu perfil é mais da fotógrafa brincalhona, que faz palhaçada com as crianças durante a festinha e assim, consigo meus cliques.

Já a 50mm 1.4, é uma excelente lente para retratos e também para fotografar os detalhes da decoração, com um desfoque  maravilhoso. Portanto, é sempre bom tê-la por perto, embora eu a use consideravelmente menos.

EDIT: Pouco mais de um ano depois de ter escrito o artigo, meus equipamentos foram atualizados. Até o momento (Junho de 2015), trabalho com: D600 (backup), D610, 24-70 2.8 (que agora tem seu uso quase que exclusivamente no parabéns), 35mm 1.4 (que uso 90% do tempo) e uma 105mm 2.8, que é macro e não usei em festinhas ainda.

2.2 Configurando seu equipamento.

Novamente aqui, esta é uma questão pessoal, mas vou lhes contar como gosto de trabalhar.
Crianças não páram. Isso é um fato. Fotometrar em modo manual, muitas vezes pode fazer com que percamos alguns cliques importantes, deixando passar o momento.
Portanto, para ser ágil, costumo sempre trabalhar em prioridade de abertura (A ou Av – dependendo do seu equipamento). Gosto de me manter em aberturas intermediárias, como 2.8 ou 3.2, onde consigo uma boa profundidade de campo, sem abrir mão de um foco preciso. Com isso, quem define a velocidade para mim, é o meu lindo amigo, o fotômetro. Estou sempre monitorando e aumentando o ISO, se necessário. Fotos borradas nem pensar! Tente manter-se sempre em velocidades, no mínimo, acima de 1/100s. É claro que podemos usar do bom senso. Bebês de 1 ano, não devem sair correndo e devem ser mais fáceis de clicar (exigindo menos da velocidade do obturador) do que crianças de 4 anos, que correm pra lá e pra cá, pulando na cama elástica e trocando de brinquedos em frações de segundos, rsrs.

Outro ponto importante: RAW Sempre!! Para quem não trabalha com raw ainda, a dica é: comece imediatamente! Com esse recurso, me permito usar o White Balance (balanço de branco) em modo automático e ajustar tudo isso no Lightroom depois. Algumas casas de festa tem [infelizmente] uma variedade chatinha de luz. O salão tem luz branca, enquanto nos brinquedos a luz é amarela. Pra evitar essa bagunça e conseguir um tratamento uniforme depois, o RAW me salva.

Há casos e casos. No parabéns, por exemplo, é quando não abro mão de trabalhar em modo Manual. Isso porque ficaremos num só lugar, sem grandes variações. Dessa forma, consigo cliques com exatamente a mesma quantidade de luz, o que facilita a minha vida e ganho alguns minutos, na pós produção. O importante é manter sempre um tratamento uniforme e consistente, sem variações de luz, nem de cor.

2.3 O que clicar.

Lembra que falamos na parte 01 sobre traçar um roteirinho? Agora é hora de colocá-lo em prática.

Começo sempre com a decoração, antes mesmo da família do aniversariante chegar. Assim, consigo pegar com calma cada um dos detalhes, assim como a mesa inteira do bolo e o salão inteiro vazio. Depois, quando chegam, tento garantir as fotos da família e do aniversariante sozinho, junto à decoração. O objetivo dessas fotos, é conseguir garantir uma foto legal para a capa do álbum, caso ela não surja depois (não dá pra saber de antemão, rs). O fato de estar junto à decoração, faz com que eu consiga uma capa nos padrões de cores da festa, mantendo meu álbum muito mais hamonioso.
Toda criança tem “prazo de validade”, variando conforme a idade. Quanto mais se sabe sobre comportamento infantil, mais fácil é trabalhar essas questões. Uma coisa é certa: há uma quantidade de tempo limitada em que ela ficará interessada em fazer essas fotos posadas. Quando os amiguinhos chegarem, mais difícil ficará. Eles se cansam com facilidade e você não quer uma foto com uma criança de cara emburrada.
Quem for imprescindível para o álbum (isso a sua cliente te explicará, naquela entrevista prévia que comentamos na parte 01 do artigo), você já pode ir clicando com a criança conforme eles forem chegando. Esses são os tios, avós, padrinhos… Todo mundo que não puder ficar de fora do álbum. Confirme isso com sua cliente.
Após esse momento, ficamos livres para clicar. Isto é, ficar atento ao que for acontecendo com o aniversariante durante a festa. Acho legal pegar abraços entre os coleguinhas, quando cumprimentam na chegada, alguns sorrisos quando vêem alguém que estavam esperando, essas coisas. Também aproveito para fotografá-lo explorando a festa, os brinquedos e o que mais tiver. Cama-elástica, piscina de bolinha, escorregadores infláveis. Tudo o que houver na festa, eu procuro registrar, dentro da medida do possível e com naturalidade.

Informe-se se haverá algo diferente, como palhaços, ou alguém vestido como algum personagem. Antecipe-se, assim você consegue pegar a expressão das crianças ao ver o “novo integrante” da festa.

Passado este momento, pergunto para a cliente se a grande maioria dos convidados já chegaram e se posso (se for da vontade dela), clicar as mesas com os convidados. A verdade é que nenhum fotógrafo gosta de fazer essa parte (rsrs), mas se for importante para a mãe o registro de todos que compareceram, assim o farei. Você pode aproveitar um momento em que o aniversariante não esteja fazendo nada “inédito”. Fique de olho no que ocorre ao redor. Se precisar interromper os cliques das mesas, pois tinha outra coisa importante acontecendo, tudo bem. Só não deixe de retomar depois.

Feito tudo isso, geralmente é cantado o parabéns e após ele, você está liberado! =]

2.4 Retratos do aniversariante.

Sempre procuro fazer bons retratos durante a festa, quase como se estivesse fazendo um ensaio desta criança. É importante para os pais e também ficará lindo como capa de álbum ou em páginas cheias no seu álbum. Serão as fotos preferidas, sem dúvida.
Meus registros de aniversários se resumem praticamente em três partes:
– Fotos posadas e obrigatórias.
– Mini “sessão” do aniversariante, porém sem interromper muito a festa.
– Registros de estilo jornalístico.

Também procure registrar bons momentos dos pais com a criança. Você pode até dar a dica para os clientes – de forma sutil – de que quanto mais tempo ficarem com seus filhos, melhores serão as fotografias. Assim evitamos aqueles indesejados milhares de cliques no colo da babá.

Uma dica para o retrato do aniversariante: Fotografe na altura dos olhos!

2.5 Deixe fluir.

Embora eu tenha tudo isso muito claro na minha cabeça, sobre o que eu gostaria de registrar, procuro interferir minimamente. Muitas vezes as mães me perguntam o que devem fazer e instruo da melhor maneira possível. Sugiro colocar crianças menores nos brinquedos, pois elas não iriam sozinhas. Mas é importante não interferir no cronograma natural da festa. Ficar sugerindo ou questionando que horas cantar o parabéns, faz o que você pareça com pressa de ir embora e soa grosseiro.
Se a criança estiver brincando o avô, por exemplo, aproveite para clicar isto, ao invés de sugerir outra atividadade. Mais tarde você perceberá que bons registros se fazem nessas ocasiões de intervalos também.

2.6 Divirta-se.

Sei que este conselho é clichê, mas não vejo outra forma de encerrar este texto, se não dizendo isso! Você precisa se divertir e gostar genuinamente desses eventos.
Há crianças tão engraçadas, muitas vezes dou gargalhadas durante essas festinhas. Fico feliz com a alegria delas e com o que estou conseguindo clicar. Brinco muito com as crianças. Amarro o cadarço, ajudo a subir na cama elástica (quanto alguns monitores parecem ter caído no sono hehe) e isso me ajuda a criar um vínculo com essas crianças, que sei que transparecem no trabalho.

Espero que tenham gostado das dicas e isso venha a ajudar vocês no desempenho nas próximas festinhas!

Um beijo e bons cliques.

25 thoughts on “Dicas para fotografar Aniversários Infantis. Parte 02.

  1. Luciene says:

    Seu trabalho é maravilhoso. Tenho acompanhado com cada postagem que minha prima Julyana/Lucas e Letícia postam para os parentes. Parabéns!

  2. Anita says:

    Muito legal os 2 artigos, temos os mesmo equipamentos, só o flash é diferente e eu uso o meu sb900 um pouco mais, por insegurança mesmo, com agora com a D600 to começando a subir o iso, já estou em 1000 (vc deve achar graça desse detalhe, mas logo eu subo mais rs)
    Queria aproveitar a oportunidade e te perguntar e quando a criança é um pouco mais 4, 5… anos e não gosta de fotos, não quer bater fotos, vira o rosto se esconde. Porém a mamãe quer fotos, quero o registro. Como vc lida com essa situações.
    E já aconteceu de chegar em uma festa e a criança estar mau humorada por fome e sono? Difícil né?

    Obrigida, bjão e sucesso sempre!!!

  3. Elisabete says:

    Ótimas dicas! Com relação ao tratamento das imagens o que você costuma fazer? Só ajusta coisas sobre cor, luz, brilho ou ajusta coisas mais especificas, tipo clarear o sorriso,tirar rugas…? Desde já obrigada!

  4. Elisabete says:

    Tenho uma duvida sobre InDesign que anda me perseguindo quando vou tentar diagramar meus álbuns. Por exemplo, eu tenho minhas fotos já editadas e de boa qualidade (o tamanho delas é enorme e quando as amplio em qualquer programa que não seja o InDesign elas continuam ótima), mas quando eu as jogo para o InDesign elas ficam distorcidas. E não são todas, algumas quando coloca zoom melhora, outras pioram, é uma doideira! Te suplico, me ajuda hahahahah
    Beijos e sucesso!

  5. Stephanie says:

    Adoro seu trabalho e suas preciosas dicas! Esses 2 artigos foram de extrema utilidade, muito obrigada!
    Queria saber quantas fotos você costuma colocar no álbum/entregar pros clientes? Eu sempre me pego fazendo álbuns não muito grandes pra não ficarem cansativos e sou fã confessa de fotos grandes, às vezes ocupando páginas duplas, o que acaba diminuindo a quantidade de fotos por álbum… Como lidar? Haha
    Beijos e continue com o trabalho encantador!

  6. Cris Peixoto says:

    Oi, Huaíne! Ótimos textos, bem ilustrativos da dinâmica de uma festa infantil. Ficou uma pergunta: vc disse usar pouco o flash. Mas e quando o salão de festas ou a casa do cliente forem mal iluminados? Subir o ISO e/ou usar o flash? E quando o salão tiver aquelas (trágicas) luzes verdes que algumas decoradoras amam? Já passou por isso? E luzes estroboscópicas em festa infantil? Já ví por aqui. rs O que vc faria nessas situações?

    Abraço! Tudo de bom!

  7. Elton says:

    Olá!
    Gostei muito desse seu post… valeu mesmo pelas dicas.
    Gostaria de ler o primeiro, mas quando clico diz que a página não existe. :(
    Vc tem ele arquivado? Gostaria realmente de ler a primeira parte, pois ao ler este percebi que a leitura do primeiro é essencial…
    Valeu!
    :)

  8. Renato Avila says:

    Estou organizando um workshop sobre como fotografar festa infantil aqui na região dos lagos – rio de janeiro e seu material publicado é de grande ajuda. A proposito como pronuncia seu nome? Com H mudo? OU som de R?. Minha mae chama-se Wyne
    (pronuncia-se Uaine).

    • Huaíne Nunes says:

      Olá Renato!! Fico feliz que meu texto possa te ajudar de alguma forma.
      A pronúncia do meu nome é U-A-íííí-NE (hehehe). O H é mudo e o Í é tônico. Difícil explicar escrevendo kkkkk.
      Depois me conta como foi seu workshop?

      Abração!

  9. Larissa Millan says:

    Eu sempre volto nesse post, e sempre consigo achar algo mais que me ajuda muito, é o mais completo sobre festas infantis que já vi. Queria saber (só curiosidade) qual o seu equipamento hoje, eu achei bem legal você ter atualizado, sem pagar o anterior, mostrando sua evolução no equipamento, a gente se identifica. Muito sucesso, beijos, Lari

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *